sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Histórias no Jardim da Infância


"Historinhas são tão importantes para a criança, quanto a necessidade de brincar..."
Criança Ouvindo
Uma criança atenta assimila as informações de forma consciente e inconsciente, e isso quer dizer que, o educador deve ser duplamente cauteloso na escolha do conteúdo de suas preleções...
A professora de jardim de Infância e Maternal deve contar histórias diariamente. Estas podem ser conhecidas ou novas, dependendo do interesse da turma, sendo que o número de repetições é ilimitado. 

A escolha das histórias deve ser feita entre os livros de pouco texto, linguagem simples e com ilustrações grandes e sugestivas, atendendo às diferentes necessidades da turma. 
Exemplo: A professora sabe, por informações dos pais, que uma das crianças do grupo tem problemas de alimentação. Ela, então, poderá contar uma história do COELHINHO MANHOSO, ou outra onde exista, como fundo, um ensinamento relacionado à alguém que não gosta de comer. 
No preparo de um plano de trabalho atender-se-á a diferentes itens, dentre os quais:

  • Horário - Em jardim, com exceção das atividades em que a escola necessita que haja uma coordenação de horário das turmas (lavagem das mãos, merenda, higiene dentária, recreio, repouso), o horário não pode ser rígido. 

    As atividades deverão surgir do modo mais natural possivel e de acordo com as oportunidades. 
    A criança não deve sentir que há "hora da história". Para tal a professora deve usar de todos os artifícios.
  • Local e Arrumação - A professora poderá contar a história dentro da sala, no pátio, com as crianças sentadas nos degraus de uma escada, no jardim, etc. 

    Quanto à arrumação, as crianças deverão ficar de frente para a professora de modo que todas vejam perfeitamente o livro, a professora dramatizando a história ou o material que está sendo usado.
  • Motivação - A criança não deve perceber que a professora deseja contar uma determinada história. Cabe a esta, pondo em jogo toda a sua habilidade, levar o interesse do grupo a um ponto tal que a história venha a ser solicitada pelo mesmo.
  • Apresentação da História - A professora precisa conhecer bem o texto da história porque ela não deve ler mas, sim, contar; e contar com linguagem simples, ao alcance do grupo que a ouve. 

    A história deve ser contada com o auxílio do material (livro, desenhos no quadro negro, fantoches, gravuras, figuras dos personagens recortadas em cartolina, teatros de sombra e de vara, etc.) porque a criança de jardim precisa de algo concreto para poder seguir a sequência do que lhe está sendo contado. 
    Durante a história a professora pode, de vez em quando, solicitar a cooperação da criança - por exemplo: "... e agora", diz ela virando a página e mostrando às crianças; "Olhem quem vem falar com o cãozinho ... isso mesmo o padeiro." 
    Este artifício poderá também ser usado quando a professora perceber que houve um momentâneo desinteresse das crianças.
  • Comentário - Embora a história, para a criança, seja sempre apenas recreativa, a professora não deve deixar escapar esta esplêndida oportunidade de aumentar os conhecimentos do grupo por meio de comentários sobre a mesma. 

    Para isso, a professora, ao escolher a história, deve prever o que de interessante e útil poderá conversar com as crianças. 
    Exemplo: Numa história em que um cãozinho fala com pessoas de diferentes profissões, o assunto do comentário pode ser encaminhado para as "profissões" - as da história, outras que as crianças conheçam e algumas que a professora hábilmente lembra.

0 comentários :

Postar um comentário