sexta-feira, 23 de setembro de 2016

E a educação continua do mesmo jeito - Por Alexandre Farias


Eu estava pensando sobre a evolução da educação. Os métodos pedagógicos que são usados e as atividades que o aluno deve realizar para se tornar “apto” para a próxima etapa.


Chego a conclusão que não tivemos uma evolução, mas apenas um jeito de maquiar as dificuldades. Não posso negar que muitos tentam algo novo, mas a história apenas se recicla e não produz novas etapas eficientes.

Outro dia eu estava pensando sobre o uso da matemática no dia a dia do trabalho de milhares de pessoas. Será que estas pessoas foram preparadas para o uso da calculadora nas aulas de matemática ou tiveram que aprender a usar a calculadora fora dela?

Nós usamos o decoreba da tabuada do 9 ou a calculadora para resolver um questão matemática no trabalho?

É claro que necessitamos passar pelas 2 etapas, mas deveriam ter a preocupação em ensinar o aluno a entender o problema do que decorar a tabuada.

Se o aluno esquecer de subir o “1” ou descer o “ 2” na conta, já basta para o professor dar um sinal de errado. Se o professor esquecer de subir ou descer um número na nota do aluno, ele apenas cometeu um deslize.

A educação não olha para o futuro, mas apenas se conforma em maquiar o passado para que ele passe como evoluído.

As coisas continuam a mesma... Só mudou o uso dos métodos que na realidade dão um bom lucro para as escolas. Isso mesmo, a educação continua a mesma!

Quer ver?

O professor da aula, o aluno deve apenas escutar quieto.

O professor não pode ser questionado, é o aluno tem que sobreviver as perguntas do professor.

O professor analisa o aluno segundo o seu critério, mas não quer ser analisado pelo critério do aluno. Quer dizer, eles acreditam que o aluno não tem capacidade de criar critérios.

O professor se engana, o aluno erra.

O professor que tem letra ilegível é considerado intelectual, o aluno que tem uma letra tortinha é considerado relaxado.

O professor monta avaliações com muitas palavras difíceis que não fazem parte do vocabulário da criança, o aluno tem a obrigação de saber o que o professor está querendo no exercício porque ele precisa enriquecer o seu vocabulário.

O aluno não pode colocar o seu vocabulário do dia a dia. Se um professor fala gíria na sala de aula ele é considerado pra frentex ... se o aluno fala gíria na sala de aula ele é jogado para o fundo da sala e considerado malandro.

Quando chega no final do ano o aluno é reprovado pelas notas baixas, mas quem reprova o professor pela sua baixa nota de ensino pedagógico ? Pela falta de reconhecer as dificuldades dos seus alunos? Por não ter feito nada para que o aluno conseguisse entender o que ele estava dizendo?

Por não ter reciclado o seu conhecimento durante anos e não ter feito um curso de especialização?

Bem, vamos andando porque atrás vem o pessoal que vai querer me matar . Mas a verdade deve ser dita doa a quem doer.

Obs; Não quero colocar todos os professores no mesmo saco e jogá-los no Rio Nilo para os crocodilos, muitos se esforçam em melhorar o ensino. Mas que dá vontade de colocar alguns e jogar aos crocodilos, dá....

Eu nem corrigi o texto para os professores ter a desculpa de corrigi-lo e me considerar um neófito, mas isso é apenas uma desculpa para não refletir sobre o assunto. E assim vai a educação....

Alexandre Farias - Possui graduação em Teologia e Apologética pela Faculdade Teológica e Apologética Cristã Dr. Walter Martin (2008), e está cursando Filosofia pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Possui qualificação profissional de Radialista no setor de locução Profissional e operação técnica pela Rádioficina (1998 MTB 18435). Atualmente é consultor teológico do periódico - Saber e Fé: revista de teologia e apologética cristã, colaborando com artigos para publicação; é consultor teológico e apologético do Instituto Cristão de Pesquisa e do periódico Defesa da fé. Editor e articulista do periódico Boas Novas - jornal mensal da Igreja Evangélica Cristã Presbiteriana. Diretor e professor do seminário teológico e Apologético IECP. Idealizador do encontro de teólogos e líderes cristãos conhecido como Café Teológico e Apologética .

0 comentários :

Postar um comentário